O que você ganha ao chamar a Dilma de anta?

Confesso que não acompanhei muita coisa sobre o processo da agora ex-presidente Dilma Roussef . Na verdade, nunca fui muito ligado a política e nem pretendo ser. Apesar disso, me informo a respeito das coisas que vêm acontecendo e, independente de qualquer coisa, penso que um impeachment não é bom para o país. Ele pode mudar o governo, mas não a política. Ou seja, o buraco é muito mais embaixo.

Mais uma vez, as redes sociais foram invadidas por avalanches de ódio. A intolerância política desabrochou com intensidade em plataformas como o Facebook e o Instagram. A partir dessa perspectiva, me lembrei de um um estudo recente da “Comunica Que Muda”, plataforma digital da Agência Nova/sb, que mapeou expressões opressivas na web como gordo, vagabundo, retardado mental, boiola, malcomida, golpista, velho e nega.

[Um estudo] mapeou expressões opressivas na web como gordo, vagabundo, retardado mental, boiola, malcomida […].

A pesquisa concluiu que a maior intolerância de todas é a política, seguida de preconceitos como o ódio contra as mulheres, as deficiências, a aparência e a raça. Com relação à Dilma, já li posts e vi memes a taxando de termos como golpista, mula, anta, bandida, sapatão e até vagabunda. Seria um sonho termos parado no irônico “Tchau, querida”. Essa realidade, portanto, revela um tipo gravíssimo de intransigência.

Para Bob Vieira da Costa, sócio-fundador da Agência Nova/sb, “a intolerância nas redes é resultado de desigualdades e preconceitos sociais em geral. Não é uma invenção da internet. O que ocorre é que o ambiente em rede facilita que cada um solte seus demônios ao dar a sensação de um pretenso anonimato. O mundo virtual é, portanto, mais uma forma para que os intolerantes se manifestem e ampliem o seu alcance”.

[…] o ambiente em rede facilita que cada um solte seus demônios ao dar a sensação de um pretenso anonimato.

Pretenso anonimato: é aí que mora o perigo. Esse tipo de postura, que penso que parte de pessoas impotentes e frustradas, pode não dar em nada, mas também pode custar bastante caro. Para a psicóloga americana Pamela Rutledge, diretora do Media Psychology Research Center e referência em estudar as relações entre mente e tecnologia, as pessoas são iguais online ou offline. No entanto, ainda não compreendem isso.

“Já estamos acostumados com a ideia de que nosso comportamento obedece a regras sociais, mas ainda não percebemos que o mesmo vale na internet”, diz. “A internet tem a ver com respostas rápidas. As pessoas falam sem pensar. É diferente da experiência social offline, em que você se policia por conta da proximidade física do interlocutor”, completa.

As pessoas falam sem pensar. É diferente da experiência social offline, em que você se policia por conta da proximidade física do interlocutor

Rutledge também destaca que redes como o Facebook encorajam pessoas com opiniões extremas a sentirem confiança para dar seus palpites. “Pessoas que se sentem impotentes ou frustradas se comportam desta maneira para se apresentarem como se tivessem mais poder. E as pessoas costumam se sentir mais poderosas tentando diminuir ou ofender alguém”.

Se chamar a Dilma de anta mudasse o nosso horizonte eu até concordaria, mas não adianta nada. Ninguém ganha com isso. Não existe reforma política à vista. O país tem um Congresso extremamente conservador. Para piorar, existem grandes oportunidades para extremistas vencerem as eleições em 2018. Talvez o PT tenha aberto os olhos para a necessidade de se reinventar. Os outros partidos precisam fazer o mesmo. Já o discurso de ódio só faz mal, principalmente para a pessoa que o pratica.

Curtiu? Deixe seu like e seu comentário. É muito importante para mim e eu gostaria de ouvir você! Quer ler mais? Confira mais textos aqui no LinkedIn! Além disso, acompanhe minhas redes sociais para aprendermos juntos (toda semana tem conteúdo novo): 

🎥 YouTube

📖 Facebook

🐥 Twitter

👻 Snapchat: orenatoribeiro1

📷 Instagram@orenato.ribeiro

📲 Podcast: dá para ouvir no SoundCloud ou no app do seu celular (busca por Renato Ribeiro)

💻 www.orenatoribeiro.com

NOVIDADE EM BREVE!!! >>> Faça parte minha lista privada de e-mails. É grátis! Não vou encher sua caixa, beleza? Estou organizando o sistema de cadastro, mas se tiver afim já deixa seu e-mail nos comentários ou mande inbox. 🙂

QUEM SOU EU? 

É difícil me definir porque estou sempre em mutação. Nasci em Nova Lima, uma cidade vizinha a BH, e tenho as características peculiares do mineiro: a hospitalidade, a gentileza e a desconfiança, hehehe.

Hoje, vivo em São Paulo. Trabalho e leio muito e saio pouco. Álcool não é comigo, mas comida é comigo mesmo! Podem me chamar pra almoçar, principalmente se tiver bolo de chocolate recheado depois. Com essa comilança, virei atleta amador e neste ano vou disputar minha sexta maratona!

Na vida profissional, fiz jornalismo e depois encarei duas pós-graduações: em marketing e em gestão de negócios. Tenho experiência de 12 anos em comunicação, marketing e redes sociais, além de quatro anos de atuação em consultorias, treinamentos e palestras para pequenos empreendedores.

Além da comunicação e do marketing, também sou apaixonado por desenvolvimento humano, negócios e empreendedorismo. Isso me levou a produzir muito conteúdo nas minhas inúmeras redes sociais. Para estar por dentro de tudo, além das leituras, estou sempre em eventos dessas áreas.

As minhas principais experiências profissionais englobam empresas como Fiat, Petrobras, Sebrae-MG, CDL – Belo Horizonte, agências de publicidade e órgãos públicos. Também já trabalhei diretamente com grandes nomes do mercado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s